Pagamento com celular cresce 2.275% desde 2010

Segundo dados do Banco Central, crescimento supera o atendimento pela internet, que teve alta de 135% no período

MURILO RODRIGUES ALVES , O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2015 | 02h04

Dinheiro ou cartão? Telefone. Depois da regulação do sistema de pagamento móvel pelo governo brasileiro, os bancos começam a investir para que os clientes possam responder à pergunta sobre a forma de pagamento com essa opção.

Nos últimos cinco anos, a utilização de telefones celulares e outros dispositivos móveis em transações bancárias saltou 2.275%, segundo dados consolidados pelo Banco Central (BC). O crescimento supera o atendimento pela internet, que aumentou 135% no período e responde atualmente por 40% das operações realizadas.

O BB anunciou que seus clientes podem substituir o cartão físico tradicional pelo celular em algumas situações quando for mais prático do que o plástico. Funciona assim: o lojista informa a opção e pagamento e o valor da compra na máquina. Em seguida, em vez de entregar o cartão ao lojista, o cliente seleciona no smartphone qual cartão deseja utilizar e a forma de pagamento (débito ou crédito). Para finalizar a compra, basta aproximar o celular de uma maquina que tenha leitor sem contato, digitar a senha do cartão para, em seguida, o comprovante ser emitido. Toda a transação acontece em um único aplicativo do banco. Para compras abaixo de R$ 50, às vezes nem é exigida a senha para autorizar o pagamento.

O vice-presidente de Negócios de Varejo do BB, Raul Moreira, estima que 1 milhão de clientes ao longo deste ano passarão a utilizar o celular para fazer pagamentos em lojas dos 10 milhões usam o cartão de crédito todo mês.

Caixa. Já a Caixa foi o último dos grandes cinco bancos a lançar a sua conta pré-paga no celular, que permite transferir dinheiro, por exemplo.

O serviço foi fruto de uma parceria com a operadora TIM e funcionará em todos os modelos de celular vendidos pela operadora. Em um primeiro momento, está sendo testado em três cidades antes de ser ampliado para todo o País nos próximos meses.

O principal público da Caixa são os 55 milhões de brasileiros que não tem contas no banco. Metade da população brasileira ainda recebe pagamentos em dinheiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.