Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Pagamento de milhões em bônus pelo AIG levanta críticas nos EUA

Os principais conselheiros do presidente Barack Obama e líderes republicanos e democratas no Congresso criticaram neste domingo que a seguradora American International Group, recebedora de uma operação de salvamento de 173 bilhões de dólares, esteja pagando 165 milhões de dólares em bônus aos empregados.

THOMAS FERRARO, REUTERS

15 de março de 2009 | 16h40

Mas eles concordaram que não estava claro o que o governo pode fazer para recuperar o dinheiro do bônus da seguradora ou cortar os bônus desde que os contratos o permitam legalmente.

Legisladores afirmam, contudo, que grande parte das questões precisa ser respondida e que alguns representantes da AIG podem precisar ser afastados. Eles também afirmaram que a legislação pode ser necessária para evitar uma repetição de tal ação e manter a confiança pública nos planos de ajuda federais.

"Faremos absolutamente de tudo que for possível para assegurar que o dinheiro aplicado seja usado de alguma forma que consideremos apropriada", afirmou Christina Romer, membro

da cúpula de conselheiros econômicos da Casa Branca, ao programa "Meet the Press" da NBC.

Romer e outro importante conselheiro de Obama, Lawrence Summers, diretor do Conselho Nacional de Economia, afirmaram que os contratos devem ser honrados, mas que a questão no AIG deve ser examinada.

"Somos um país de lei. Existem contratos. O governo não pode simplesmente anular os contratos", disse Summers ao "This Week", da ABC. Independentemente disso, acrescentou: "Toda medida legal possível para limitar esses bônus está sendo tomada pelo secretário (do Tesouro) Geithner e pelo Federal Reserve System."

O líder republicano no Senado Mitch McConnell disse que os bônus "são um ultraje", e que a administração Obama precisa fazer mais.

"Todos nós sabemos que os contratos são válidos... mas eles precisam ser examinados", pontuou McConnell ao "This Week", da

ABC.

"Eles (o AIG) entraram nesses contratos sabendo muito bem que...os contribuintes dos Estados Unidos iriam reembolsar seus funcionários? Particularmente os mesmos funcionários que os colocaram nessa situação", disse McConnell.

O AIG concordou no sábado em reestruturar seu sistema de pagamento de bônus depois que a administração Obama se posicionou contra planos de usar centenas de milhões de dólares em tais pagamentos, mas afirmou que não teria escolha senão pagar os 165 milhões de dólares devidos até domingo.

(Reportagem de Thomas Ferraro, Jim Vicini, Philip Barbara e John O'Callaghan)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.