Pagamentos móveis podem estrear com pequeno valor

O diretor de Política Monetária do Banco Central (BC), Aldo Mendes, afirmou nesta terça-feira que o serviço de pagamentos móveis deve começar com um modelo de transações de baixo valor. "Não sei se temos tecnologia avançada suficientemente para dizer que é 100% seguro. No começo, tem de trabalhar com valores mais baixos. Não se pode pensar em transferir grandes valores com uma tecnologia nova e que se pretende ser inclusiva", afirmou.

EDUARDO CUCOLO, Agencia Estado

26 de março de 2013 | 16h30

Mendes disse que as transações móveis não devem substituir a tecnologia de uso de cartão de crédito físico. "São coisas que vão conviver, não há substituição." Ele disse ainda que a medida provisória (MP) que tratará do assunto abrangerá meios de pagamento de uma forma mais ampla, incluindo instituições que usam a internet para oferecê-los, mas que não são bancos. Mendes acrescentou que ainda não há data para a MP dos Pagamentos ser enviada ao Congresso. "Há também a questão de oportunidade política sobre quando apresentar ao Congresso. Isso compete à Casa Civil. Imagino que isso é que esteja sendo levado em consideração", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.