Painel vai abrigar casa do trilhão

Impostômetro tem espaço ampliado

Marcelo Rehder, O Estadao de S.Paulo

27 de maio de 2008 | 00h00

A arrecadação de impostos cresce tanto que o Impostômetro precisou ser ampliado com a inclusão das casas decimais dos trilhões de reais. O painel eletrônico mantido pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT)mostra o valor de todos os tributos pagos no País em tempo real. A expectativa é de que o Impostômetro alcance, pela primeira vez, mais de R$ 1 trilhão no último dia de 2008. No ano passado, o painel marcou R$ 921 bilhões.O novo painel será inaugurado hoje no prédio da ACSP, localizado no centro da capital paulista. A data foi escolhida por um motivo especial. Segundo o IBPT, até esta terça-feira o brasileiro trabalhou só para pagar os tributos (impostos, taxas e contribuições) exigidos pelos governos federal, estadual e municipal. Agora é que vai começar a trabalhar para o próprio sustento.Pelos cálculos da entidade, este ano o brasileiro trabalharia em média quatro meses e 27 dias somente para pagar os tributos sobre o rendimento, consumo, patrimônio e outros. Ou seja, 40,51% do seu rendimento bruto se destinará para o pagamento de toda essa carga tributária.O Impostômetro confirma que a cada ano os brasileiros têm pago cada vez mais impostos. Em 2003, início do primeiro mandato do governo Lula, o contribuinte teve que destinar, em média, 36,98% do seu rendimento para pagamento desses tributos. Nos anos seguintes, o comprometimento de renda subiu para 37,81%, 38,35% e 39,72%. Em 2007, chegou a 40,01%.Segundo o IBPT, 75% dos impostos são pagos por empresas e 25% por pessoas físicas. Porém, todo o valor é repassado para as pessoas físicas, já que os impostos estão embutidos no preço das mercadorias e serviços que o consumidor adquire.Para Alencar Burti, presidente da ACSP, todo cidadão tem direito a receber informações claras sobre o quanto é pago de impostos no País. Segundo ele, só assim a sociedade poderá cobrar dos seus governantes serviços públicos com qualidade. "Ouvimos falar tanto na reativação de impostos ou na criação de novos tributos e o Impostômetro mostra que, neste ano, a arrecadação passará do bilhão para o trilhão", diz Burti.Até as 19h00 de ontem, o painel mostrava que o pagamento de tributos este ano já havia superado R$ 400,380 bilhões. Com esse dinheiro, segundo o IBPT, o governo poderia construir 33,364 milhões de salas de aula equipadas ou mais de 5 milhões de Km de rede de esgoto ou fornecer medicamentos para toda a população por quase 15 anos ou contratar mais de 34,515 milhões de professores do ensino fundamental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.