País ainda pode atingir meta do superávit primário, diz Meirelles

Apesar da deterioração nas contas do setor público, presidente do BC não descarta marco de 2,5% do PIB

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

04 de novembro de 2009 | 13h59

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou nesta quarta-feira, 4, que ainda é cedo para dizer se o Brasil não vai atingir a meta no final do ano de superávit primário de 2,5% do Produto Interno Bruto, embora tenha havido uma marcada deterioração nas contas do setor público em setembro.

 

"A hipótese que trabalhamos no banco central é de que estaremos no caminho para essa meta anunciada para o ano de 2009 e para a meta normal para 2010", disse Meirelles em entrevista à agência Dow Jones.

Ele acrescentou que os participantes do mercado financeiro preveem crescimento do PIB entre 4,5% e 5,0% para 2010, mas ele não se surpreenderia se o mercado "caminhasse em direção aos 5% em um período razoável".

 

O presidente do Banco Central afirmou que o país "ainda tem amplo espaço para acumular reservas" em moeda estrangeira. "Durante esta crise, uma das lições aprendidas é de que é melhor ter mais reservas do que menos no nível que estamos agora", disse.

 

Meirelles afirmou que a economia brasileira passou bem pela crise econômica porque tinha fortes fundamentos econômicos e amplos recursos. "Como resultado disso, acredito que a recuperação do Brasil tem fundações sólidas no sentindo de ser baseada, primeiro, no consumo privado, que vem como resultado da preservação da renda e do crescimento", disse ele. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.