Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

País atrai centros globais de pesquisa

Perspectiva de ganhos bilionários com o pré-sal e projetos de infraestrutura tornam mercado atrativo para investimentos em P&D 

Marcelo Rehder, especial para o Estado,

05 de junho de 2013 | 16h37

Foi-se o tempo em que grandes empresas multinacionais de tecnologia se estabeleciam no Brasil, com fábricas e escritórios, mas a parte de pesquisa e desenvolvimento (P&D), que gera inovação e agrega valor aos produtos e serviços, ficava no exterior. É crescente o número de anúncios de instalação de centros de P&D de multinacionais no País. Empresas como as americanas GE e Boeing e a inglesa BG Group estão desembarcando seus primeiros centros aqui. Outras, como a alemã Siemens, a sueca SKF e a americana 3M estão ampliando ou abrindo novos centros. Juntos, eles representam investimentos de quase US$ 2,5 bilhões nos próximos anos.

"O Brasil se tornou um polo de atração de investimentos em P&D", diz Carlos Eduardo Calmanovici, presidente da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei).

É importante para o País ter mais empresas fazendo inovação, porque significa a possibilidade de gerar produtos e serviços cada vez mais densos em conteúdo tecnológico, capazes de tirar da armadilha em que se encontra a balança comercial brasileira. "Dependemos da importação de produtos de alto conteúdo tecnológico e exportamos commodities, de menor valor agregado", afirma Calmanovici.

A principal razão que levou o País a entrar no novo mapa de inovação são os desafios e perspectivas de ganhos na cadeia bilionária de negócios do pré-sal e nos investimentos em infraestrutura, principalmente para a Olimpíada e a Copa do Mundo. O crescimento do mercado doméstico e a existência de universidades e cientistas capacitados para parcerias com as empresas também contribuíram. O governo fez a sua parte, criando um ambiente mais favorável à inovação, por meio de uma política de incentivos.

A General Electric (GE), um dos maiores conglomerados industriais do mundo, com atuação nos setores de engenharia, aeronáutica e medicina, entre outros, por exemplo, escolheu o Brasil para instalar o seu quinto centro de pesquisas global - o primeiro na América Latina.

O projeto, que deverá ficar pronto no fim do ano, terá na indústria de petróleo e gás uma de suas especialidades, em função do imenso potencial econômico relacionado à exploração do pré-sal no País. Está sendo construído no centro tecnológico da Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro, deverá empregar cerca de 400 pesquisadores e receberá recursos da ordem de R$ 500 milhões. Enquanto o centro não fica pronto, a GE utiliza espaços da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão.

A empresa adotou um modelo para inovar ainda pouco usual entre grandes companhias globais, a chamada inovação reversa. "Antigamente, o fluxo de inovação ia dos países desenvolvidos para os países em desenvolvimento. O movimento que a gente tem feito parte dos países em desenvolvimento para os desenvolvidos", explica a presidente e CEO da GE do Brasil, Adriana Machado. A GE tem centros globais na China, Índia, e agora no Brasil, além dos EUA e Alemanha.

Padrão. Em geral, os centros de P&D que as multinacionais estão trazendo para o Brasil têm o mesmo modelo de funcionamento. Atuam próximo dos clientes para descobrir suas necessidades locais, transformando as demandas em pesquisas e, depois, em soluções. "Hoje, não se consegue idealizar novos produtos e soluções partindo apenas do pessoal próprio. É preciso interagir com outros atores, universidades, fornecedores, clientes e outras empresas inovadoras", diz o diretor de Tecnologia e Inovação da Siemens do Brasil, Ronald Dauscha.

Não é de agora que o gigante de engenharia elétrica e eletrônica desenvolve pesquisa e tecnologia no Brasil. A Siemens já mantém sete centros de P&D no País e decidiu instalar o oitavo - um centro global de pesquisas e desenvolvimento para óleo e gás - na Ilha do Fundão até o fim do ano. O investimento previsto é de R$ 50 milhões. Uma das abordagens será a tecnologia de eletrificação submarina e seus componentes, que poderão ser usados no pré-sal. Essa tecnologia vem sendo desenvolvida na Noruega e no Reino Unido e deve ser testada em 2014.

Liderança. A corrida para aprimorar a exploração do pré-sal acabou transformando o Rio num dos maiores polos globais de tecnologia no setor de óleo e gás. A lista de empresas do ramo, de petroleiras a prestadores de serviços e fabricantes de equipamentos do setor que terão centros de pesquisa na Ilha do Fundão é tamanha que levou a Anpei a abrir uma representação regional na capital carioca. A entidade reúne cerca de 250 empresas, que respondem por 60% do investimento industrial em inovação no País. Não deve ficar por aí.

"O número de associados é crescente", diz o presidente da entidade. Um dos novos associados é o grupo britânico de petróleo e gás BG, que escolheu a Ilha do Fundão para instalar o seu primeiro centro tecnológico no mundo. O centro deverá ficar pronto em meados do ano que vem e o grupo anunciou que vai investir entre US$ 1,5 bilhão e US$ 2 bilhões em pesquisa e desenvolvimento no País até 2025.  

Tudo o que sabemos sobre:
inovar para competir

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.