Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

País deu respostas rápidas a problemas na crise, diz Meirelles

Presidente do BC disse que adoção de ações de estímulo fiscal e alívio monetário mostrou eficácia

Lucinda Pinto e Francisco Carlos, da Agência Estado,

14 de agosto de 2009 | 10h48

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, voltou a dizer que a política econômica brasileira passou por um grande teste, comprovando que o crescimento experimentado nos anos anteriores não era fruto apenas da expansão benigna que acontecia no mundo.

 

Veja também:

especialESPECIAL: Dólar, o fim de uma era?

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

Segundo ele, durante muitos anos se questionou se o Brasil crescia ancorado apenas nas condições mundiais favoráveis. "Então o teste veio. Preferíamos ter tido um teste mais suave. Mas ele veio e o sistema se manteve ancorado e sustentado em bases sólidas", afirmou Meirelles na abertura do seminário sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária, promovido pelo BC, em São Paulo.

 

Ele disse que o País deu respostas precisas a cada um dos problemas gerados pela crise. Lembrou que o Banco Central disponibilizou R$ 100 bilhões dos recursos dos depósitos compulsórios para garantir a proteção à liquidez do sistema financeiro, Ele destacou também as ações adotadas pelo BC para conter a deterioração do mercado de câmbio, como a atuação no mercado de dólar spot e com linhas de empréstimos aos exportadores, o que foi possível, segundo ele, devido à política de acúmulo de reservas.

 

O presidente do BC também mencionou ainda as ações de estímulo fiscal e alívio monetário, adotadas dentro do regime de metas de inflação. "Foram respostas rápidas à problemas específicos", afirmou Meirelles.

Tudo o que sabemos sobre:
criseBrasilMeirelles

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.