País deve ter nova licitação para licença de banda larga

O Brasil deverá fazer no início do próximo ano uma nova licitação para a venda de licenças de banda larga. A previsão é do secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Roberto Pinto Martins, que participou hoje do seminário LTE Tecnologia e Mercado, que discutiu a quarta geração da telefonia celular, ainda não disponível no mercado brasileiro. A quarta geração aumenta a velocidade e a capacidade de conexão à internet. Hoje, a banda larga móvel no Brasil tem velocidade média de 1 megabits por segundo (Mbps). A quarta geração pode chegar a 50 Mbps.

GERUSA MARQUES, Agencia Estado

25 de junho de 2009 | 12h46

"É necessário fazer uma nova licitação para a expansão da banda larga no País", disse o secretário. Ele evitou relacionar esta licitação a alguma tecnologia específica, já que estão na disputa pelo mercado a LTE, defendida pelas empresas de telefonia celular, e a WiMax, que conta com o apoio das operadoras de TV por assinatura via micro-ondas terrestres (MMDS).

Ele disse que o principal objetivo do governo Lula é massificar a banda larga no País. Para atender a zona rural, o Ministério já determinou que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) promova uma licitação ainda neste ano, usando a faixa de frequência de 450 MHz (megahertz).

A licitação do próximo ano seria para ampliar a capacidade da banda larga móvel nas áreas urbanas, especialmente nos grandes centros. "Hoje, está claríssima a necessidade de incrementar a oferta de banda larga no Brasil. As pessoas estão cada vez mais consumindo esse tipo de serviço. Mas não temos preferência por tecnologia", disse Martins, acrescentando que caberá às empresas escolherem a tecnologia e montarem seus modelos de negócios.

O secretário disse que as redes de banda larga disponíveis hoje no Brasil já estão mostrando "esgotamento", o que associado ao crescimento da demanda por banda larga poderá apressar a licitação. A Anatel ainda não definiu quantas licenças deverá licitar, mas está trabalhando com as frequências de 3,5 gigahertz (GHz) e 2,5 GHz.

Tudo o que sabemos sobre:
tecnologiabanda largalicitação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.