Pais devem usar a mesada para ensinar a poupar

É importante que os pais tenham em mente que a mesada faz parte de um processo de educação financeira. "Ensina a fazer escolhas", define o educadora financeira Cássia D´Aquino. E um item que deve estar vinculado à entrega do dinheiro é a questão da poupança. "É bom saber desde cedo que poupar é mais vantajoso. Aprender a renunciar ao consumo hoje para consumir melhor depois", explica o consultor financeiro Mauro Halfeld. Mesmo com crianças muito novas, é possível iniciar esse processo, basta explicar para o filho e dividir a mesada ou semanada entre quanto gastar e quanto poupar. Cássia D´Aquino ensina alguns macetes que ajudam no aprendizado. "Com crianças menores, os pais podem entregar dois envelopes, um para gastar e outro para poupar. Ela mesma pode escrever, se já souber. E o dinheiro a ser poupado pode ser colocado em um pote transparente com tampa. Assim, o filho visualiza o dinheiro e sabe quanto está rendendo."Ao incentivar os filhos a fazerem uma poupança, é necessário discutir um objetivo para o dinheiro, ela aconselha. "Poupar por poupar é uma grande bobagem. Não se pode criar um Tio Patinhas." E dá um exemplo: a criança quer um jogo de videogame, então sabe que deve se programar semana a semana para consegui-lo." Educar para economizarMauro Halfeld argumenta que a criança deve ser incentivada a poupar pelo menos 10% da mesada ou semanada. Já Cássia D´Aquino defende um porcentual maior: pelo menos 50% do que ganha. Independentemente do valor, os dois concordam que a poupança seja parte da educação financeira da criança, sem esquecer que deve haver diálogo.Para ela, se a criança recebe R$ 100, deve poupar R$ 50. Com os outros R$ 50, pode usar metade em gastos obrigatórios, como lanche da escola e transporte, e a outra metade em coisas supérfluas, como presente para os amigos, cinema etc. "E, conforme vai crescendo, assume cada vez mais responsabilidades."Outro elemento lembrado por Mauro Halfeld que pode ajudar na educação da criança é usar uma parte do dinheiro para doar a instituições de caridade. "É importante a criança aprender a ser solidária e ter consciência de que há pessoas menos favorecidas do que ela. Não precisa dar muito. Pode ser R$ 1 ou um valor entre 5% e 10% do que recebe."Veja nos links abaixo como ensinar a criança a lidar com dinheiro desde cedo e a negociar, dentro do processo de educação financeira. E ainda os erros que devem ser evitados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.