País está pronto para crescer, diz Bernard Appy

A agenda positiva lançada pelo governo Lula nos últimos dias, como o incentivo ao setor imobiliário e os recursos destinados à reconstrução de estradas por todo o País, não deve ser vista como uma resposta à crise política desencadeada com o escândalo Waldomiro Diniz, já que ela vem sendo planejada há vários meses. Foi o que disse o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, no programa Espaço Aberto, da Globo News. Ele colocou ênfase nas condições macroeconômicas desfrutadas hoje pelo País: "A gente tem hoje, no Brasil, uma situação, do ponto de vista macroeconômico, muito mais sólida do que tivemos em todo o passado do País. As contas fiscais estão em ordem, as contas externas estão numa situação muito mais sólida do que tiveram nos últimos dez anos, a inflação está sob controle, e isso abre a possibilidade de um crescimento sustentável ao longo dos próximos anos. Ou seja, o risco de instabilidade é muito menor do que foi no passado." Marco regulatório Segundo Appy, o gargalo que pode comprometer esse crescimento está na infraestrutura, razão pela qual o governo vai investir em áreas como energia elétrica, telecomunicações, saneamento e transporte, com uma parte dos investimentos cabendo ao setor privado. Para tanto, estão em andamento no Congresso projetos relacionados com o marco regulatório. "O trabalho do governo é criar todas as condições para estimular o máximo de investimento privado, principalmente com um marco adequado, uma definição adequada do papel das agências reguladoras, que dêem aos investidores privados segurança em seus investimentos."

Agencia Estado,

04 Março 2004 | 07h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.