Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

País importou US$ 4,4 bi em produtos químicos em agosto

A importação de produtos químicos no mês de agosto somou US$ 4,4 bilhões, o que significou um aumento de 0,4% em relação a igual período do ano passado, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira, 12, pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). Na comparação com o mês de julho as importações cresceram 9,4%. Já as exportações de produtos químicos somaram no mês passado US$ 1,1 bilhão, queda de 15,1% em relação a agosto de 2012 e recuo de 7,8% ante julho.

FERNANDA GUIMARÃES, Agencia Estado

12 de setembro de 2013 | 10h34

No acumulado dos primeiros oito meses do ano, as compras externas somaram US$ 30,5 bilhões, aumento de 11,8% ante igual intervalo do ano passado. As vendas externas chegaram a US$ 9,4 bilhões, recuo de 5,5% na mesma base de comparação.

Com esse resultado, o déficit da balança comercial até agosto chegou em US$ 21,1 bilhões, representando um crescimento de 21,8% frente ao mesmo período do ano passado. Já nos últimos 12 meses, o déficit foi de US$ 31,9 bilhões, montante que, segundo a Abiquim, é recorde.

"O fenômeno da recente valorização do dólar ainda não significou desaceleração nas compras externas de produtos químicos e os volumes exportados, até agosto, estão consideravelmente aquém das estimativas do setor. Contudo, existe uma grande expectativa de que as desonerações fiscais para o setor químico ampliem a taxa de utilização da capacidade instalada no País, contendo a crescente participação de importados no consumo aparente nacional", afirmou, em nota, a diretora de Comércio Exterior da Abiquim, Denise Naranjo. Segundo a Abiquim, os produtos químicos foram responsáveis por 19% das importações brasileiras e 6% das exportações, no período de janeiro a agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
Abiquimimportaçãoagosto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.