Sergio Roberto Oliveira/Estadão
Sergio Roberto Oliveira/Estadão

País já fez consultas à UE sobre limites à compra do aço brasileiro, diz Itamaraty

Proposta prevê sobretaxas para 26 produtos do setor siderúrgico; no caso do Brasil, sete produtos seriam atingidos

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2019 | 19h50

BRASÍLIA - O Ministério das Relações Exteriores informou ao Estadão/Broadcast, por meio de sua assessoria de imprensa, que consultas do governo com a União Europeia já estão em andamento para tratar da questão das barreiras que podem ser impostas à compra de aço do Brasil.

Uma proposta da União Europeia, que vai a votação nesta semana, prevê sobretaxas para 26 produtos do setor siderúrgico, considerando todos os países exportadores. No caso do Brasil, sete produtos seriam atingidos.

"O governo brasileiro vem acompanhando como parte interessada a investigação de salvaguardas da União Europeia sobre importações de aço desde seu início, em março de 2018", informou o Itamaraty. "No último dia 4 de janeiro, a União Europeia notificou a OMC (Organização Mundial do Comércio) acerca dos resultados da investigação e de sua decisão de impor proximamente salvaguardas sobre as importações de aço provenientes de todo o mundo", acrescentou.

Conforme o Itamaraty, estão sendo realizadas consultas à União Europeia para tratar do assunto. Como o Estadão/Broadcast informou no domingo, 26 produtos do setor siderúrgico serão sobretaxados pela União Europeia. Para cada país, uma cota será oferecida. Caso o volume supere as cotas, entrará em vigor uma tarifa extra de 25%. A China, por exemplo, sofrerá restrições em 16 produtos diferentes, contra 17 da Turquia e 15 da Índia. No caso do Brasil, a notificação enviada pela UE para a OMC cita sete produtos.

O Brasil exporta cerca de 15 milhões de toneladas de aço por ano (US$ 9,5 bilhões), dos quais 25% vão para a Europa. Em 2017, foram exportados para o bloco 3,9 milhões de toneladas. Uma parte desse volume é de produtos semiacabados, que não foram incluídos na lista de restrição.

O impacto nas exportações brasileiras será nas vendas de laminados a frio (usado pelas indústrias automobilísticas, de máquinas e equipamentos), chapas grossas (voltadas para indústria naval) e metálicas (embalagens), entre outros tipos de aço. /Colaboraram Jamil Chade e Mônica Scaramuzzo

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    açosiderurgiaUnião Europeia

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.