País perde a liderança do ranking do otimismo

Resultado teve impacto no consumo, especialmente da nova classe média; perspectiva para 2015 é que o ajuste macroeconômico afete as compras

MÁRCIA DE CHIARA , O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2014 | 02h05

O brasileiro continua sendo um dos povos mais otimistas do mundo em relação à situação econômica do País. Mas o cenário está mudando e a perda de otimismo teve impacto nos gastos da nova classe média neste ano. Isso deve se repetir no próximo, dependendo da intensidade dos ajustes macroeconômicos, segundo consultorias especializadas.

Para 2015, especialistas acreditam que o ritmo de compras da nova classe média deve diminuir. No entanto, esse estrato social, que representa 50% da população e que desembolsou no ano passado R$ 1,2 trilhão, não deve abandonar o padrão de consumo conquistado.

"Eles entraram no mercado de consumo para ficar, sentiram o gosto do mel e não querem perdê-lo", afirma o diretor de serviços ao cliente da empresa de pesquisas Ipsos, Lawrence Mills. Ontem, os executivos da empresa apresentaram cenários para 2015.

Dorival Mata-Machado, diretor da Ipsos Public Affairs, correlacionou a queda no otimismo do brasileiro com redução no ritmo de consumo. Pesquisa da empresa feita em setembro com grupo de 24 países mostra que 57% dos brasileiros acreditam que nos próximos seis meses a economia estará forte ou muito mais forte. Isso coloca o País na vice-liderança do otimismo em relação à economia, atrás apenas da Índia (71%).

Apesar de o resultado ser favorável, a situação do Brasil já foi melhor. Em 2010, o País liderava esse ranking, com 79% de otimistas. E foi assim até abril deste ano. Em maio, o País perdeu o topo para a Índia. "Inicialmente a perda de otimismo estava relacionada com a inflação. Houve freada no consumo."

Pesquisa nacional feita pela Nielsen, que acompanha as compras de 137 itens, entre alimentos, bebidas, artigos de higiene e limpeza, mostra que, entre junho e agosto deste ano, o volume consumido desses itens cresceu 3,7% ante igual período de 2013, depois de ter aumentado 6,4% e 4,8% nos trimestres anteriores. "A classe média, que representa 50% do consumo, teve uma contribuição bem inferior ao seu peso para o avanço das vendas no período", ressalta Sabrina Balhes, analista da Nielsen,

Nichos. Especialistas tanto da Ipsos como da Nielsen concordam que, para manter acesa a chama do consumo da classe C em 2015, será necessário explorar nichos de mercado. "Não dá mais para dar tiro de canhão e tratar a classe C de forma homogênea", diz Machado. Como exemplo, ele cita a Casas Bahia, que acaba de abrir uma loja no Complexo do Alemão (RJ). "Certamente eles enxergaram a possibilidade de nicho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.