País pode ser 5ª economia do mundo em 2016, diz Dilma

Ministra destacou em seminário em Londres as oportunidades criadas pelas descobertas do pré-sal

DANIELA MILANESE, Agencia Estado

05 de novembro de 2009 | 09h29

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, acredita que o Brasil pode se tornar a quinta maior economia do mundo em 2016. Segundo ela, o objetivo é continuar crescendo juntamente com a redução das desigualdades sociais, como vem ocorrendo nos últimos anos. "O País vive um momento exitoso", afirmou, durante apresentação em seminário organizado pelo Financial Times e Valor.

 

Veja também:

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise

Dilma destacou as oportunidades criadas pelas descobertas do pré-sal, que colocarão o Brasil na lista das maiores reservas petrolíferas do mundo. Segundo ela, o quadro é muito promissor, apesar dos desafios tecnológicos. A ministra afirmou que existe a preocupação de evitar a maldição do petróleo, com baixa industrialização e populações pobres, e a chamada ''doença holandesa''. "Por isso queremos agregar valor e criar uma indústria com escala e competitividade."

Depois de uma apresentação mais técnica sobre os projetos de investimentos brasileiros, como as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Dilma abordou a questão ambiental. "Queremos mostrar que é possível crescer em harmonia com o meio ambiente." Segundo ela, as descobertas de petróleo não irão mudar o caráter renovável da matriz energética brasileira, pois serão mantidos os investimentos em hidrelétricas, biocombustíveis, agricultura e siderurgia verde.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaReino Unidoseminário

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.