finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

País precisa desonerar exportações, diz Ciro

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, afirmou hoje, em entrevista à TV Câmara, que "a União Federal precisa desesperadamente renovar a CPMF e a DRU (Desvinculação de Receitas da União)" e que "o País precisa desesperadamente desonerar as exportações". Questionado sobre reforma ministerial e especulações de que poderia vir a substituir Guido Mantega no Ministério do Planejamento, Ciro disse: "Sou pela estabilidade no emprego. Sobre o Ministério do Planejamento, gostaria de dizer que faz muito tempo que o País não tem um ministro tão qualificado como Guido Mantega".O ministro disse que muita gente que critica a reforma tributária não a leu. Ao sair da entrevista à TV Câmaras, ele foi questionado por um jornalista sobre as críticas feitas pelos empresários à reforma. "Muita gente não leu e não gostou", disse. "É um equívoco. O único elemento de aumento de carga tributária é o estabelecimento de Cofins para importações. Esse único aumento é para proteger a indústria nacional".Ciro disse também que, ao limitar o ICMS a 25%, a reforma vai obrigar quem cobra mais a reduzir o imposto. "Não vejo onde vai aumentar a carga tributária", observou. Ele admitiu que o texto aprovado em primeiro turno pela Câmara não é perfeito, argumentando que é impossível uma reforma ideal num país com dificulddes econômicas como o Brasil. "O que o presidente (Luiz Inácio Lula da Silva) está conversando pacientemente para chegar a um denominador comum, isso não é tarefa fácil", afirmou. Ele disse, também, que a estratégia do presidente é conduzir o assunto em negociação até sua deliberação final e que o Senado, para onde a proposta seguirá depois, "talvez tenha o contexo mais próprio para ajustar, porque se trata de aspecto do pacto federativo". O ministro evitou dizer o que deveria ser mudado, alegando que fala sobre isso apenas em instâncias internas do governo, não para repórteres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.