Foto: Trench Rossi Watanabe
Foto: Trench Rossi Watanabe

'País precisará do capital externo para retomar investimentos', diz Frizzo

Henrique Kruger Frizzo diz que incertezas políticas estão afetando as aquisições no Brasil

Renée Pereira, O Estado de S. Paulo

24 Setembro 2018 | 05h00

O sócio do escritório de advocacia Trench Rossi Watanabe, Henrique Kruger Frizzo, afirma que as incertezas políticas têm afetado o ritmo de aquisições no Brasil, especialmente por parte do investidor estrangeiro. Ele destaca ainda que o País vai precisar muito do capital externo para retomar investimentos no setor de infraestrutura, o que exigirá algumas mudanças internas. 

Estadão: Os negócios de infraestrutura estão parados neste momento de turbulência?

Henrique Kruger Frizzo: Os negócios não estão necessariamente parados, mas vemos uma demora significativa por parte do governo na licitação de novos projetos. O que temos visto é um interesse na aquisição privada de projetos já em andamento, até porque os preços dos ativos estão atrativos, em especial no setor de energia e portuário.

Porém, as incertezas políticas têm afetado o ritmo dessas operações, especialmente quando se trata de investidores estrangeiros; no passado, os projetos de aquisição eram mais objetivos e agora qualquer aspecto negativo gera uma rediscussão da intenção em adquirir. 

Qual o principal desafio do novo presidente para reativar os investimentos? 

Mais do que alterações legais, que é uma opinião recorrente, seria necessário trabalhar na qualidade dos projetos que serão licitados por meio da inclusão dos atores envolvidos (usuários, investidores e operadores). Uma priorização entre projetos já maduros e com boa aceitabilidade poderia representar um choque positivo no setor. No passado, sempre se focou em um dos atores (primeiro operadores, depois financiadores), o que gerou dificuldade de implementação, já que todos os interesses acabavam não harmonizados. Em relação aos investimentos estrangeiros, é essencial limpar as incertezas de macroeconomia e melhorar a qualidade dos projetos. 

Que setores ainda têm potencial para fechar negócios neste ano? 

Energia, portos, óleo & gás e rodovia.

Como está o apetite do investidor estrangeiro no Brasil? 

O Brasil está atrativo pelo preço dos ativos. Mas as incertezas quanto ao retorno do investimento, segurança nos projetos e dificuldades de financiamento acabam por prejudicar a participação do estrangeiro. O País precisa de capital externo porque não há liquidez no mercado interno capaz de suprir a demanda para os investimentos. No mercado doméstico, o financiamento dos projetos ainda sofre impacto das alterações nas políticas do BNDES e do fraco apetite do setor financeiro em financiamentos de longo prazo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.