José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão
Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Pais que não têm bons hábitos financeiros estão passando isso para os filhos

Criar bons hábitos financeiros é uma das melhores maneiras de buscar transformar nossos filhos em adultos com um bom grau de bem-estar financeiro

Fabio Gallo*, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2021 | 04h00

O cérebro é uma máquina perfeita que processa nossos pensamentos, racionalidades, emoções, sentimentos, entre outras coisas e que nos leva a ação e a padrões de comportamentos, os hábitos. Os pais podem, ainda, não ter se dado conta, mas estão ensinando muitos hábitos financeiros aos seus filhos. Criar bons hábitos financeiros é uma das melhores maneiras de buscar transformar nossos filhos em adultos com um bom grau de bem-estar financeiro. 

É essencial, ainda na infância, educá-los sobre finanças pessoais e a manter uma relação sadia com o dinheiro. As crianças são naturalmente curiosas, ávidas por conhecimento, e imitar os pais, assim aproveite para estimular os bons hábitos financeiros, principalmente em casa. Não há uma idade certa para começar a tratar do assunto, aproveite quando eles manifestem alguma curiosidade e fale abertamente envolvendo-os nas questões financeiras da família. 

As crianças fazem muitas perguntas, desde sobre coisas imediatas como “mamãe compra esse brinquedo para mim?”, e muitas vezes os pais são pegos de surpresa e respondem que não tem dinheiro ou algo parecido, mas isso não é necessariamente verdade. 

Não dizer a verdade não é uma boa estratégia. Surgem, também, questões maiores como “nós somos pobres?”, “por que nós temos casa na praia e tem gente sem casa?”, “por que a casa de fulano é grande e a nossa é muito pequena?”. Por vezes, a resposta é o silêncio. Mas, essa atitude não é entendida com clareza pela crianças e pode, até mesmo, inibi-los de continuar a fazer perguntas. 

Ron Lieber, colunista do The New York Times, dá uma dica interessante, nesses casos para que você possa ter algum tempo para pensar na resposta e entenda a motivação do seu filho, pergunte: “Por que você está perguntando isso?”. Assim, você terá chance de dar uma resposta sincera e mais adequada. 

Podemos gerar comportamentos inadequados quando não damos responsabilidades, como cuidar de certas tarefas domésticas. Mas, também, não devemos dar atenção total o tempo todo, permitindo, por exemplo, que nos interrompam com algo que não é urgente, quando estamos no telefone. Temos de dar exemplo no uso do dinheiro e que gastar conscientemente, poupar e doar fazem parte de nossa vida financeira. 

Sem dúvida a mesada é um instrumento muito eficaz para permitir a geração de bons hábitos. A oferta de cartões de crédito é outro instrumento útil, mas a lei brasileira não permite que sejam concedidos cartões a menores de idade. Mas existem alternativas como cartões adicionais ou cartão pré-pago. Algumas fintechs já oferecem contas digitais com cartão de débito. Uma mensagem é clara: os pais que não têm bons hábitos financeiros estão passando isso para os filhos. 

* PROFESSOR DE FINANÇAS DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS-SP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.