País quer tempo para se defender de acusações argentinas

O Brasil quer ganhar tempo para preparar sua defesa contra a queixa feita pelos argentinos no que se refere à disputa aberta na Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre a resina PET. Nesta segunda-feira, o governo argentino enviou à missão do Brasil em Genebra um calendário com possíveis datas para a realização das consultas em relação ao contencioso. Buenos Aires quer que o encontro ocorra ainda neste mês, de preferência durante a própria Cúpula do Mercosul já no próximo dia 18, e aceitou a proposta brasileira de que a reunião seja realizada no País.Os argentinos entraram com uma queixa formal na OMC contra as barreiras colocadas pelo Brasil â importação da resina. Brasília estabelece uma sobretaxa de até US$ 641,00 por tonelada diante da constatação de que os argentinos estariam cometendo dumping e exportando com preços abaixo do praticado no mercado local. A primeira fase do processo é a de consultas, em que os dois países tentarão encontrar uma solução sem o envolvimento de árbitros internacionais. Buenos Aires propôs que o encontro ocorra nos dias 18 e 19, justamente nas datas da Cúpula do Mercosul em que se reunirão os presidentes dos países do bloco. Desta forma, o tema ganharia importância política e visibilidade.Outra data sugerida pela Argentina seria no final de janeiro. O governo brasileiro revelou que está avaliando as datas e que, ainda nesta semana, deverá dar uma resposta a Buenos Aires. Mas o Itamaraty já indicou que gostaria de realizar as consultas no fim do mês para poder se preparar melhor com o Ministério do Desenvolvimento e advogados sobre uma estratégia de defesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.