Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

País tem ''''bala na agulha'''', diz Mantega

Ministro ressalta que não há bancos no Brasil envolvidos com problema do setor imobiliário como nos EUA

Adriana Fernandes, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2011 | 00h00

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou ontem que a turbulência que afeta os mercados financeiros internacionais não deve afetar os bancos brasileiros nem provocar redução da oferta de crédito no Brasil.Segundo ele, o grosso do crédito que irriga a economia brasileira - ''''quase 100%'''' - é gerado dentro do País. "Portanto, nós estamos muito tranqüilos. Essa turbulência não vai afetar o nível de atividade no Brasil", disse o ministro, reafirmando sua expectativa de que a economia deve crescer entre 4,5% e 5% neste ano.Mantega disse ainda que o Brasil tem "bala na agulha" para enfrentar a crise e um sistema financeiro sólido. Segundo o ministro, não há bancos no Brasil envolvidos com o problema que surgiu com a crise do setor imobiliário nos Estados Unidos."Os bancos brasileiros estão sólidos. Eles não estão com o crédito subprime, que é o crédito imobiliário norte-americano de segunda linha (origem da crise). Pelo contrário, os bancos brasileiros estão apresentando margem e lucros elevados e têm outras alternativas de aplicação", afirmou. Na contramão do nervosismo que tomou conta dos mercados em todo o mundo, ele disse que a economia brasileira poderá até se beneficiar das turbulências e chegar mais rapidamente ao grau de investimento que é concedido pelas agências internacionais de avaliação de risco. O ministro disse que não aposta nas turbulências para melhorar o câmbio no Brasil, mas fez questão de ressaltar que, com a elevação recente do dólar, os setores econômicos que estavam reclamando da excessiva valorização do real devem ter se acalmado. Mantega passou o dia de ontem dando entrevistas sobre o agravamento da volatilidade. Falou duas vezes na portaria do Ministério da Fazenda e deu entrevistas individuais no seu gabinete. Repetiu em todas elas o mesmo discurso. Ele avaliou que, apesar da continuação das turbulências, por enquanto, não se pode falar em crise na economia mundial. "Ainda acho que se trata de uma turbulência e redução da alavancagem, que estava muito elevada nos mercados internacionais", afirmou o ministro."Eu acredito que essa turbulência não deve durar, mas, se durar, nós temos muita bala na agulha para enfrentar a crise e, passada esta turbulência, o Brasil continuará sendo um dos endereços prediletos (dos capitais)."Segundo ele, essas turbulências só vão se tornar uma crise no momento que afetarem a economia real. "Enquanto ficar na esfera financeira, não podemos falar em crise", afirmou o ministro, ressaltando que as empresas na Europa e nos Estados Unidos têm apresentado crescimento robusto. Ele admitiu, no entanto, que a instabilidade pode afetar o mercado brasileiro de renda variável e reduzir o fluxo de capitais. Mas, para o ministro, isso não será problema. "Nós estamos com o fluxo de capitais favoráveis ao Brasil. Se diminuir um pouco o fluxo de capitais, se sair um pouco, não altera nada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.