País tem círculo virtuoso após medidas duras, diz Meirelles

Para presidente do Banco Central, estabilidade econômica gerou maior previsibilidade no Brasil

Elizabeth Lopes, da Agência Estado,

16 de junho de 2008 | 12h06

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou nesta segunda-feira, 16, que o Brasil entrou num círculo virtuoso porque adotou medidas duras, porém necessárias para que as oportunidades de crescimento fossem implantadas. Sem citar o atual momento, de controle de inflação e aumento das taxas de juros, Meirelles destacou: "o País entra num círculo virtuoso, mas de novo, depois da aplicação de medidas duras, porém absolutamente necessárias naquela oportunidade para o crescimento".   Veja também: Combate à alta de preços é prioridade, diz Lula Alimentos sobem em dose tripla nos países pobres Entenda os principais índices de inflação  Entenda a crise dos alimentos  Na elite do mercado mundial      As declarações de Meirelles foram feitas durante homenagem feita pela BM&F Bovespa ao presidente Luiz Início Lula da Silva, em razão da conquista do grau de investimento pelo País. Num rápido discurso, Meirelles disse que a consolidação da estabilidade da economia brasileira gerou maior previsibilidade e está levando aos alongamentos dos horizontes de planejamento no País.   "Em conseqüência, as taxas de retorno demandadas passam a ser menores e temos aumento de investimento e maior crescimento do produto, emprego e renda". Na avaliação do presidente do BC, uma das conseqüências desse cenário é a possibilidade de crescimento maior do mercado de capitais.   Meirelles destacou "o momento importante da visita de Lula para ser homenageado na nova bolsa" e disse que a homenagem reflete a respeitabilidade internacional que o Brasil adquiriu não só das agências de rating, mas de outros organismos, autoridades e até mesmo da imprensa internacional. O presidente do BC citou recente artigo do Le Monde, que ponta o Brasil como exemplo a ser seguido por alguns países, como por exemplo, os EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.