País tem de investir para poder crescer, diz economista

"Estamos vivendo um momento muito bom na indústria brasileira", avalia o economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Armando Castelar Pinheiro. No entanto, ele afirma "ser pouco provável que a indústria brasileira consiga manter um crescimento de 9% na demanda. "Investiu-se muito pouco nos últimos 20 anos. Com o investimento que nós tivemos, não temos condição de crescer 5% ou 6% ao ano de forma sustentada", disse, durante entrevista ao Conta Corrente, da Globo News. Segundo o economista, é preciso um tempo para que o investimento se recupere e se transforme em capacidade produtiva. Castelar afirma que a compra de dólares pelo Banco Central para recompor reservas é algo positivo. "As reservas estão muito baixas. Precisamos aproveitar o momento que foi interrompido no início do ano passado." No entanto, o economista ressalta que a compra de dólares tem pouco impacto. "A valorização é quase inexorável quando você tem um diferencial de juros que cresce em relação aos juros externos e quando o prêmio de risco cai, como vem caindo. Aí você tem uma valorização que é exatamente para equalizar as oportunidades do mercado financeiro doméstico e externo", explica. "E o volume de dinheiro que o BC pode comprar é pequeno dado o volume de dinheiro que pode entrar no País para fazer esta arbitragem de juros."RecuperaçãoPara Castelar, a recuperação da economia será pautada pelo consumo interno via recuperação do mercado de trabalho. "As famílias de maneira geral respondem da seguinte forma: se elas vêem que o salário e o emprego vão aumentar, elas procuram antecipar essa renda futura pegando dinheiro emprestado e consumindo hoje. Se elas virem a perspectiva de que o mercado de trabalho vai continuar melhorando, tanto elas vão pegar dinheiro quanto os bancos vão emprestar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.