finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

País tem menor geração de empregos formais para junho em 16 anos

Saldo líquido de emprego com carteira assinada foi de 25.363 vagas, queda de 83,9% ante o mesmo período de 2013

Francisco Carlos de Assis e Nivaldo Souza, O Estado de S. Paulo

17 de julho de 2014 | 14h41

Atualizado às 16h15

A geração de vagas formais teve forte desaceleração em junho. Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego, o saldo líquido (contratações menos demissões) de emprego com carteira assinada no País foi de 25.363. O resultado é o menor para o mês desde 1998 e representa uma queda de 83,9% ante junho de 2013, na série com ajuste. 

O dado de junho do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) ficou abaixo do piso das previsões do mercado financeiro, que variavam de 40 mil a 110 mil vagas, segundo o AE Projeções. No acumulado do ano até junho, houve criação líquida de 588.671 vagas, o que fez o governo rever as previsões para 2014. 

Segundo o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, a meta agora é gerar 1 milhão de empregos este ano. O número é menor que o apresentado no início de 2014, quando o governo previa a criação de até 1,5 milhão de postos até 31 de dezembro. Em 2013, foram gerados 1,1 milhão de vagas. 

Dias afirmou que o fraco desempenho em junho frustrou as expectativas do governo. "Esperava mais, porque não havia nenhum indicativo dessa situação", disse. "O grande fato causador da diminuição foi a indústria, que no ano ainda continua positiva", disse. 

A indústria de transformação respondeu pela maior quantidade de demissões líquidas em junho, com o fechamento de 28.553 vagas. Foi o terceiro mês consecutivo de desligamentos. Os 12 segmentos industriais pesquisados demitiram. O pior resultado foi da indústria de material para transportes (-5.542), seguido por metalúrgica (-4.161) e mecânica (-3.957).

A agricultura foi o setor que respondeu em junho pela maior geração de vagas, com 40.818 vagas. Em seguida, ficou o setor de serviços, com 31.143 postos de trabalhados gerados. 

Desaceleração. Para o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco Lima Gonçalves, a desaceleração da economia brasileira finalmente parece ter chegado ao mercado de trabalho. Segundo ele, o resultado poderia ter sido pior se não fosse um mês sazonalmente favorável às contratações no segmento da agricultura. 

"A geração de empregos na agricultura é sazonal, mas se compararmos com junho do ano passado, quando foram criados cerca de 59 mil vagas, vemos que a tendência é de leve desaceleração do emprego", disse o economista.

O lado bom de o mercado de trabalho entrar em desaceleração, segundo o economista do Fator, é que as expectativas de inflação tendem a se acomodar. "O lado ruim é que, quando isso acontece, o mercado de trabalho confirma a queda da economia", disse Lima Gonçalves, que antes da divulgação dos números do Caged esperava que o PIB fosse encerrar esse ano com crescimento de apenas 0,8%. 

O mercado de trabalho é sempre o segmento da economia a assimilar com maior morosidade os movimentos de melhora e piora da economia como um todo. Como os custos para contratação e demissão no Brasil são muito altos, as empresas demoram para abrir contratações quando a economia se aquece e demoram para demitir quando a economia entra em estágio de arrefecimento.

Recuperação. O ministro Dias, contudo, voltou a dizer que o mercado de trabalho vai se reaquecer ao longo do segundo semestre. "O mês que vem (julho, em relação a junho) já começam as encomendas para o Natal, e as contratações da indústria já visando o dia dos pais e o fim do ano", destacou.

Sobre o setor da construção civil, que demitiu 12.401 trabalhadores no mês, a terceira fase do programa Minha Casa, Minha Vida irá puxar contratações. "O novo Minha Casa, certamente, vai estimular a retomada da construção civil", confiou.

O ministro também observou que a demissão de 7.070 pessoas pelo setor do comércio deveu-se à Copa , em função do fechamento de lojas durante os jogos do Mundial. 

Tudo o que sabemos sobre:
Cagedemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.