Fabio Motta/Estadão - 14/9/2015
Fabio Motta/Estadão - 14/9/2015

País terá de encontrar novo ponto de equilíbrio no câmbio, diz Canuto

Diretor do Banco Mundial avalia que está havendo um ajuste global após longo período de oferta barata de recursos

Cláudia Trevisan, O Estado de S.Paulo

20 Maio 2018 | 05h00

WASHINGTON - A taxa de câmbio no Brasil não deve voltar aos patamares anteriores à atual volatilidade, mas ainda não está claro qual é o seu novo ponto de equilíbrio, disse Otaviano Canuto, diretor executivo do Banco Mundial para o Brasil e outros oito países. “Isso dependerá da estabilização das expectativas em relação ao patamar de juros nos Estados Unidos e à cotação do dólar diante de outras moedas.”

Segundo ele, o que está ocorrendo nos últimos dias é um ajuste global de portfólio de investidores, depois de um longo período de oferta ampla e barata de recursos. Se em 2013 houve o susto com os primeiros sinais de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) acabaria com a expansão monetária do pós-crise, agora há a consequência da elevação real dos juros na maior economia do mundo, ressaltou. 

Canuto observou que o cenário “benigno” para a atual turbulência é que ela se limite ao ajuste de portfólio, com investidores retirando recursos de mercados emergentes. Esse movimento é estimulado não apenas pela elevação dos juros americanos, mas também pela alta do dólar. Quanto mais ele se valorizar, menor é a atratividade de investimentos em outras moedas, ainda que os juros oferecidos sejam maiores.

O cenário “maligno” é aquele no qual o ajuste de portfólio “contamine” outros setores da economia e crie um círculo vicioso de saída de capital e desvalorização que estimule mais fuga de recursos. O que pode ajudar a balança a pender para esse cenário são eventuais surpresas negativas em relação à inflação nos EUA, avaliou Canuto. 

O economista defendeu a decisão do Banco Central brasileiro de manter a taxa de juros na reunião do Comitê de Política Monetária encerrada na quarta-feira. “O BC é responsável pelo controle da inflação. A desvalorização recente do real não é pequena e pode ter consequências sobre os preços.” 

Mais conteúdo sobre:
câmbioOtaviano Canuto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.