Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

País vende a 1ª carga de petróleo do pré-sal

Petrobrás fecha contrato para exportar para o Chile em maio 1 milhão de barris retirados do campo de Lula; valor do negócio não foi revelado

Kelly Lima / RIO, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2011 | 00h00

A Petrobrás vendeu ontem a primeira carga de petróleo do pré-sal. O volume de 1 milhão de barris, extraído do Campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos, foi vendido para a estatal chilena Empresa Nacional de Petróleo (Enap). O embarque deve ocorrer em maio e a carga será entregue em Quintero e San Vicente, no Chile.

Apesar de o valor da negociação não ter sido revelado pela Petrobrás, o diretor de Abastecimento e Refino da companhia, Paulo Roberto Costa, disse que o preço obtido foi o principal fator na decisão de venda, além do fato de o parque de refino nacional ter atingido o limite de capacidade. "Estamos refinando tudo o que podemos, estamos no limite", afirmou Costa.

Sem querer dar detalhes sobre o valor da negociação, o diretor apenas comentou que o petróleo leve do Campo de Lula obteve um "excelente preço". Costa também descartou a possibilidade de utilizar esse petróleo exportado para substituir o que a companhia importa hoje.

Exportações. Nos dois primeiros meses de 2011, de acordo com dados disponíveis na Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Brasil importou um total de 18 milhões de barris de óleo e exportou 34 milhões. Em relação ao ano passado, o País já aumentou em 5% o volume exportado.

A principal característica da balança comercial do petróleo no Brasil é que a maior parte do óleo nacional é pesada, o que exige custos mais elevados para refino, que derrubam seu preço original, enquanto o óleo importado, mais leve, tem preço mais elevado. Isso começa a mudar com o óleo leve do Campo de Lula (ex-Tupi).

Preços. Em média, o preço do óleo nacional costuma ficar US$ 10 abaixo do valor do petróleo Brent, que é importado pela Petrobrás. Já o óleo do pré-sal possui uma qualidade mais elevada, com 28 graus API (escala usada para determinar a qualidade: quanto mais elevado o grau, melhor). Na Bacia de Campos, a média é de 18 graus, mas na Arábia chega a ultrapassar 50 graus.

Segundo Costa, não estão descartadas novas exportações se surgirem "boas oportunidades". "Temos um programa rodando em busca de oportunidades de compra e venda de carga no mundo todo, a todo o instante."

Leilão. Depois de três anos sem leilão de áreas para exploração de petróleo, a ANP deve realizar a 11.ª rodada de licitação entre setembro e outubro, informou ontem Magda Chambriard, diretora da agência. A discussão é uma das principais pautas da reunião do Conselho Nacional de Política Energética, dia 28.

O novo marco regulatório só deverá estrear em 2012, "provavelmente no primeiro semestre", diz Magda, com as regras para as áreas do pré-sal. Segundo ela, a intenção este ano é oferecer áreas o mais longe possível do pré-sal para não haver confusão com o novo marco regulatório que define o sistema de partilha para essas áreas.

Preços do petróleo sobem

Os preços do petróleo subiram em Nova York, em reação à baixa do dólar ante o euro. Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para maio fecharam a US$ 108,15 por barril, alta de 0,96%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.