Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Para Abilio Diniz, País vive crise de ceticismo

Executivo afirmou a plateia de empresários que Brasil não vive o seu pior momento e que não está sozinho na crise

Dayanne Sousa, O Estado de S. Paulo

25 de agosto de 2015 | 12h07

O cenário econômico brasileiro não é o pior já enfrentado na história do País e nem o Brasil está sozinho na crise, afirmou o empresário Abilio Diniz durante um congresso em São Paulo. Ao iniciar um discurso sobre gerenciamento de crises para uma plateia de executivos do varejo, Abilio afirmou que a China está "sofrendo um tranco" e disse que o momento que vive o país asiático afeta o mundo inteiro.

"O governo chinês não divulga muito o que está acontecendo, fui para lá para trabalhar com o Carrefour e de fato a China está sofrendo um tranco pesado", disse. "Vamos ver como vai ser a aterrissagem, se vai ser 'soft' ou mais barulhenta, mas o tamanho da China faz com que isso mexa com o mundo inteiro", acrescentou.

Sobre o Brasil, o empresário afirmou que o País vive uma crise de ceticismo, de falta de confiança. "Fundamentalmente essa é uma crise política, muito mais do que econômica", declarou. "Se tivermos tranquilidade política, a crise se resolve, não com grande facilidade, mas se resolve", completou.

Na avaliação de Abilio, os fundamentos da economia brasileira seguem sendo sólidos e investidores estrangeiros mantém interesse no País uma vez que "o Brasil está barato". "O nosso déficit é baixo, é claro que tem que ser estancado, mas é pequeno e ainda há fundamentos sólidos da economia", completou. O empresário pediu "união" dos brasileiros. "A hora em que superarmos a crise política através de união dos brasileiros, vamos superar crise com certeza".

BRF. Apesar do momento de turbulência, a China continua sendo um mercado "promissor" para a empresa de alimentos BRF, avaliou AbIlio Diniz.

"No momento, o mercado está turbulento, mas se olharmos para trás e projetarmos para frente, acho que a China continua sendo um mercado altamente promissor", declarou. "Nós na BRF continuamos investindo na China", acrescentou. O executivo também mencionou que o Carrefour, empresa da qual ele é acionista tanto da holding na França quanto da subsidiária brasileira, tem investido no país asiático.

Questionado se a atual instabilidade no país poderia pesar negativamente nas exportações da BRF, Abilio afirmou que a companhia "não tem sentido nada".  

Durante sua palestra no Latam Retail Show, Abilio falou ainda sobre a superação de crises em sua carreira. Ele relembrou períodos de tensão nos anos 90 no Grupo Pão de Açúcar e a disputa com os sócios do Casino. O empresário concluiu dizendo que está  "realizado, voltando ao varejo e às origens" com o Carrefour.

Tudo o que sabemos sobre:
VarejoAbilio Diniz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.