Países da OMC não se aproximam de resultado necessário

O Brasil expressou seu pessimismo porque as negociações da Rodada de Doha, que são realizadas na Organização Mundial do Comércio (OMC), "não estão se aproximando do resultado necessário". A afirmação foi feita nesta quinta-feira pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim."Encontrei boa vontade nas diferentes partes, mas de alguma maneira a brecha não parece diminuir" com relação "há dois ou três meses", disse o chanceler brasileiro.Amorim - que participa da reunião ministerial convocada em Genebra pelo diretor-geral da OMC, Pascal Lamy, até domingo - lamentou que os grandes negociadores, como os Estados Unidos e a União Européia, "tentem fazer com que o peso da negociação recaia nos países em desenvolvimento".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.