Nick Oxford/Reuters
Nick Oxford/Reuters

Países produtores de petróleo decidem elevar a oferta após alta de preços

Membros da Opep+, que inclui a Arábia Saudita e a Rússia, chegaram a acordo para aumentar a extração em 400 mil barris a cada mês até o fim do ano

Associated Press, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2021 | 17h43

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e suas nações aliadas (Opep+), grupo que inclui a Rússia e o México, concordaram, ontem, em aumentar no ano que vem os limites de produção de petróleo impostos a cinco países e a elevar sua produção em 2 milhões de barris por dia até o fim deste ano, encerrando uma disputa que agitou o mercado de petróleo nos últimos meses. 

A partir de agosto, o grupo aumentará sua produção em 400 mil barris por dia a cada mês até dezembro, até chegar ao total de 2 milhões de barris. No ano que vem, a Opep+ concordou em reavaliar o corte de 5,8 milhões de barris de produção até o fim de 2022, que havia sido planejado no ano passado. 

O acordo de ontem foi alcançado depois de uma divergência desencadeada pelos Emirados Árabes Unidos, que desejavam aumentar a sua própria produção. O tema esteve no centro de um embate numa outra reunião do grupo em julho. 

Em nota, a Opep+ anunciou que Iraque, Kuwait, Rússia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos aumentarão os seus limites de produção. “O que nos une é muito além do que se pode imaginar”, disse o ministro da Energia da Arábia Saudita, o príncipe Abdulaziz bin Salman. “Nós divergimos aqui e ali, mas nos unimos.” 

Abdulaziz se recusou a explicar como os países chegaram ao consenso, após resistência da Arábia Saudita em concordar com a demanda de aumento de produção dos Emirados Árabes Unidos. 

Sob os novos limites, os Emirados Árabes Unidos seriam capazes de produzir até 3,5 milhões de barris de petróleo bruto por dia a partir de maio de 2022. Isso está abaixo dos 3,8 milhões de barris por dia que buscava. O limite da Arábia Saudita de 11 milhões de barris por dia aumentaria para 11,5 milhões, assim como o da Rússia. Iraque e Kuwait tiveram aumentos menores. 

Em sua declaração, a Opep+ reconheceu que os preços do petróleo continuam a melhorar. “A recuperação econômica continua na maior parte do mundo com a ajuda de programas de vacinação”, disse o grupo. 

No ano passado, os preços do petróleo despencaram em meio à pandemia de covid-19, com a queda na demanda por combustível em todo o mundo. O consumo desde então se recuperou, com a vacinação. 

Em 2020, a Opep+ concordou em cortar um recorde de 10 milhões de barris de petróleo por dia para aumentar os preços. Desde então, o grupo adicionou gradualmente cerca de 4,2 milhões de barris.

O príncipe Abdulaziz, ao elogiar o acordo de ontem, fez uma avaliação animadora do futuro da associação de países exportadores de petróleo, apesar da recente turbulência. Ele sugeriu que o grupo ampliado, com a participação de outros países, pode durar além do término dos cortes no próximo ano. “A Opep+ veio para ficar”, afirmou o príncipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.