Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Países da UE debatem fundo para resgate de bancos

Os ministros de Finanças da União Europeia (Eurogrupo) discutiram neste sábado a criação de um fundo bancário regional para o caso de um colapso como o de Lehman Brothers. Vários países apoiaram a criação de um fundo de resolução europeu para bancos falidos, disse o vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Vitor Constâncio.

EQUIPE AE, Agencia Estado

31 de março de 2012 | 19h10

O BCE tem pressionado pela criação do fundo com participação de toda a UE para resolver o problema da desaceleração de grandes instituições transnacionais, em vez de uma legislação que obrigue cada país a criar seu próprio fundo nacional. "Isso faria com que os bancos se descolassem mais dos títulos da dívida soberana", disse Constâncio após a reunião de ministros do Eurogrupo. Ele não detalhou quais países apoiam a ideia, mas acrescentou que seria o "jeito mais fácil de resolver o problema de "partilha de encargos" entre os países-membros.

No entanto, outros afirmam que será difícil estabelecer um fundo comum em meio à instabilidade da região. "Não é uma boa hora para fazer isso", disse uma autoridade europeia. "No mínimo, precisamos de fundos de resolução nacionais." A Comissão Europeia deve propor a lei para um esquema de resolução bancária antes do próximo encontro do G-20 na metade de junho. Na reunião do Eurogrupo, os ministros receberam um relatório com diferentes opções para bancos em falência.

Paradoxalmente, a UE pretende incluir nas regras a opção de resgate interno, o que asseguraria o pagamento da dívida por parte de acionistas e credores quando um banco falir, em vez de colocá-la na conta dos contribuintes. Todos os 27 países da UE concordaram que a opção deveria ser incluída, de acordo com a autoridade.

Propostas para apertar a regulação das agências de rating também foram discutidas, assim como alternativas ao imposto sobre transações financeiras. Segundo a ministra das Finanças da Dinamarca, Margrethe Vestager, no futuro haverá debates sobre impostos sobre atividade e impostos sobre negociações de ações. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
UEbancoajuda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.