Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Países desenvolvidos devem promover novos hábitos alimentares

Os subsídios agrícolas dados pelos países ricos a seus produtores fazem mal à saúde. A constatação foi feita por médicos e especialistas, alertando que os países desenvolvidos precisam promover uma nova dieta entre sua população para evitar a praga da obesidade e diabete que cresce cada vez mais no planeta. Para isso, precisam abandonar os incentivos excessivos para a produção de açúcar, óleo e outros produtos agrícolas que recebem bilhões em subsídios. O inglês Philip James, chefe do Grupo Internacional de Combate à Obesidade, é um dos especialistas que defende a tese do corte de subsídios para promover novos hábitos alimentares. "Concentramos o dinheiro dos contribuintes dos países ricos para os setores da cadeia alimentar que mais causam a epidemia da obesidade", avalia. "Esses subsídios dados nas últimas décadas contribuíram para uma crise no setor de saúde hoje", aponta.De fato, a Europa passou nos últimos 30 anos de importadora de açúcar para a segunda maior exportadora do produto no mundo. Governos e especialistas reconhecem que os europeus apenas conseguiram essa transformação graças aos subsídios. Para James, que foi conselheiro do primeiro-ministro britânico Tony Blair para saúde alimentar, as negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC) podem criar ao mesmo tempo "riqueza aos países pobres e saúde aos países ricos" ao demandar um corte nos subsídios dos países ricos. Estudos elaborados por várias entidades, inclusive o Banco Mundial, apontam que o corte de subsídios teria um impacto significativo na produção de países em desenvolvimento, que hoje sofrem concorrência desleal dos produtores dos países ricos.Já a preocupação em relação à obesidade e diabete tem aumentado nos últimos anos. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de pessoas sofrendo com as conseqüências da obesidade começa a se aproximar ao número de pessoas passando fome no planeta. Para completar, os problemas relacionados à obesidade podem gerar a falência dos sistemas públicos de saúde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.