Países devem criar multinacional para projetar gasoduto

Os governos do Brasil, Argentina e Venezuela estudam a possibilidade de criação de uma empresa multinacional para gerir o projeto do gasoduto que pretendem construir ligando os três países. A informação foi divulgada, nesta sexta-feira, em Brasília, pelo Ministério de Minas e Energia. A possível criação de uma multinacional foi um dos temas discutidos pelos ministros da área energética dos três países em reunião realizada em Caracas na semana passada.Durante o encontro, os representantes dos três países também aprovaram um programa de trabalho para a elaboração de estudos sobre os impactos ambientais, aspectos técnicos e de engenharia do projeto. Segundo o governo brasileiro, cerca de US$ 9,2 milhões (divididos igualmente entre os três sócios) serão investidos para a elaboração dos estudos.O Ministério de Minas e Energia, na nota - que divulgou em seu site - confirma que foi adiada, a pedido do governo venezuelano, uma reunião entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, Néstor Kirchner (Argentina) e Hugo Chávez (Venezuela), que estava marcada para sábado domingo, na cidade argentina de Mendoza. Uma nova da para esse encontro deve ser anunciada nos próximos dias.GasodutoSe for construído, o gasoduto Venezuela-Brasil-Argentina terá aproximadamente 10 mil quilômetros de extensão e capacidade para transportar 150 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia - cinco vezes mais do que pode transportar, atualmente, o gasoduto Brasil-Bolívia. O investimento no projeto é estimado em algo entre US$ 17 bilhões e US$ 25 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.