Países pobres não têm desenvolvimento automático, diz Lula

O presidente Luiz Inacio Lula da Silva disse na abertura da XI Assembléia da Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento (Unctad), em São Paulo, que o modelo de desenvolvimento econômico dos países mais pobres "não ocorre de forma automática, nem será resultado de geração espontânea das forças de mercado". O presidente lembrou que nos ultimos cinco anos 55 países em desenvolvimento tiveram crescimento médio - inferior a 2% ao ano -, sendo que 23 deles viram regredir sua riqueza. "Somente 16 tiveram expansão média acima de 3%", ressaltou.O presidente da República lembrou também que a renda per capita das nações mais pobres era de US$ 212 nos anos 60, ao passo que nos mais ricos ultrapassava US$ 11,4 mil. "Quarenta anos depois, a renda per capita dos mais pobres ainda está em US$ 267, enquanto a renda dos mais ricos quase triplicou, chegando a US$ 32,4 mil", informou. Lula disse que o comercio será insuficiente para enfrentar essa desigualdade e, por isso, será necessária a atração de investimentos em infra-estrutura e na ampliação da produtividade dos países menos desenvolvidos, o que segundo ele, resultará na expansão de emprego e renda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.