finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Países ricos dão sinais de decrescimento, aponta OCDE

Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostram que os países ricos, salvo os europeus, começam a dar sinais decrescimento. Segundo um relatório divulgado ontem, o PIB das economias desenvolvidas teve um aumento de 0,5% entre o primeiro e o segundo trimestre de 2003. Em relação a junho de 2002, o crescimento apresentado ao final do primeiro semestre do ano chegou a 1,9%.Apesar da notícia indicar que a estagnação começa a ser superada, a OCDE deixa claro que o crescimento tímido que já ocorre nos Estados Unidos e no Japão ainda não está sendo observado na zona do euro. Segundo as estimativas da entidade, os europeus tiveram um contração em suas economias entre o primeiro e o segundo trimestre de 0,1%. Entre o fim de 2002 e março deste ano, a zona do euro tinha apresentado uma estagnação. Desempenho regionalO pior desempenho ficou para França, que apresentou uma queda de 0,3% em seu PIB. Alemanha e Itália tiveram uma retração de 0,1%. Em comparação ao segundo trimestre de 2002, a Europa conseguiu apresentar um leve crescimento de 0,2%. Já os alemães, considerados nos anos 90 como a locomotiva da Europa, tiveram uma retração de 0,2% entre junho de 2002 e junho deste ano. Enquanto os europeus se esforçam para sair do marasmo econômico, o Japão dá sinais de que pode ter encontrado o caminho de volta para o crescimento. Entre junho de 2002 e junho de 2003, a economia japonesa cresceu 3%, desempenho superior ao dos Estados Unidos, que conseguiu um aumento de 2,5%. No segundo trimestre, o desempenho do Japão foi positivo em 1%.Já a economia americana, segundo a OCDE, teve uma expansão de 0,8% entre o primeiro e o segundo trimestre do ano, o dobro do que foi verificado entre dezembro de 2002 e março deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.