Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Países ricos levantam ''muros'' para imigrantes

Após um ano de crise, números indicam queda no fluxo de migrantes para a Europa e os EUA

, O Estadao de S.Paulo

29 de agosto de 2009 | 00h00

Mohamed Nur trabalha num camping em um balneário na Catalunha. Todos os meses, desde que chegou em 2002, enviava parte de seu salário à família, que permaneceu no Marrocos, seu país de origem. Mas desde junho vive uma situação que não tem coragem sequer de explicar à sua mulher. Seu patrão deixou de pagar seu salário e lhe deu duas alternativas: ser demitido ou continuar trabalhando de graça até que a situação melhore, em um dos países que mais sofrem com a crise. Mohamed, por enquanto, decidiu ficar na Espanha. Mas muitos estão optando por deixar a Europa, principalmente aqueles que trabalham no setor da construção, que entrou em colapso. Um ano depois da eclosão da pior crise econômica em 70 anos, o mundo vê um novo fenômeno: a queda do fluxo de migrantes dos países pobres para Europa e Estados Unidos. A crise, somada aos "muros" levantados pelos países ricos em suas fronteiras, faz com que o fluxo de imigrantes de países pobres aos desenvolvidos sofra pela primeira vez em 30 anos um freio. Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) indicam que o número de estrangeiros chegando na Europa e EUA recuou pela primeira vez em 2009. O levantamento também conclui que os imigrantes estão sendo os primeiros a perder o emprego. O volume de imigrantes cresceu a cada ano no mundo desde 1980. Nos países ricos, a baixa taxa de natalidade exigia estrangeiros para mão de obra. Nos países pobres, as perspectivas de estabilidade eram poucas. Entre 1997 e 2008, 70% dos empregos criados no Reino Unido foram preenchidos por estrangeiros. Na Espanha, Itália, Dinamarca e Áustria, pelo menos 40% da população economicamente ativa era estrangeira. Nos últimos meses, porém, a pressão para criação de barreiras à entrada de estrangeiros aumentou de forma expressiva. Políticos em toda a Europa passaram a lidar com o assunto como ponto central de suas campanhas eleitorais. Com a chegada da pior crise em 60 anos, políticas de restrição ganharam apelo popular e começaram a ser executadas. No Reino Unido, por exemplo, vistos de trabalho agora são dados apenas para quem tem títulos de pós-graduação. Na Itália, membros do governo chegaram a sugerir uma moratória de vistos de trabalho para qualquer um por 12 meses.DEMISSÕESOutra constatação preocupante é que os primeiros a serem demitidos são os estrangeiros. Muitos trabalhavam na construção, setor que desabou na Espanha, Reino Unido, Irlanda, EUA e outros países ricos. Os imigrantes tendem a ocupar postos temporários. Com a crise, os primeiros postos suprimidos são os temporários.Nos Estados Unidos, a taxa de desemprego entre os estrangeiros é de 10%, ante 9,4% para a média geral. Antes da crise, a taxa de desemprego entre imigrantes era mais baixa que a média nacional. A maioria dos imigrantes apenas vive nos Estados Unidos para trabalhar e 12 milhões deles não têm vistos. Na Espanha, a situação é ainda mais crítica. A taxa de desemprego entre os imigrantes já supera os 28%, ante 16% para os espanhóis. Desde 2000, a Espanha recebeu mais de 5 milhões de estrangeiros. Na Suíça, a brasileira Irene da Silva trabalha há cinco anos como empregada doméstica. Não tem visto, mas acreditava que o sacrifício valia a pena para enviar dinheiro para sua casa, na Bahia. Agora, tem dúvida diante da queda de serviço. "Não sei até quando vou conseguir aguentar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.