Países ricos pedem para Opep produzir mais petróleo

Os ministros das Finanças do G-8 (sete países mais ricos do mundo e a Rússia) vão pedir formalmente a cada um dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) que aumentem a produção de petróleo para frear a crescente alta de preços das últimas semanas. A decisão foi tomada durante encontro do grupo, em Nova York, neste final de semana. "Uma baixa nos preços do petróleo beneficiaria toda a economia mundial", diz o comunicado divulgado pelo G-8.O comissário europeu de Assuntos Econômicos e Monetários, Joaquín Almunia, disse que o grupo fará "um apelo para que entendam que a economia mundial tem de projetar para o futuro sua atual fase de recuperação e que os altos preços do petróleo podem pôr em sérios riscos o crescimento econômico".Os ministros elogiaram o governo da Arábia Saudita, que confirmou durante reunião da Opep em Amsterdã (também neste fim de semana) a disposição de aumentar a produção de petróleo independentemente da posição adotada pelos outros membros da Opep. A Arábia Saudita já havia assumido na sexta-feira o compromisso de produzir 2 milhões de barris de petróleo a mais por dia se a demanda de mercado exigisse. O anúncio saudita não conseguiu o consenso dos países membros da Opep, que adiaram para o dia 3 de junho a decisão de o cartel aumentar ou não a produção, hoje em 23,5 milhões de barris.Segundo o secretário norte-americano do Tesouro, John Snow, o objetivo dos membros da Opep de que o preço do barril se situe entre US$ 22 e US$ 28 é "apropriado". O preço do barril de petróleo caiu 2,1% em Nova York na última sexta-feira e fechou a semana abaixo dos US$ 40, devido ao anúncio da Arábia Saudita de aumentar a produção diária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.