Palmalat diz à Justiça que não mandou dinheiro ao exterior

A Parmalat do Brasil apresentou à Justiça certidão negativa do Banco Central comprovando que nos últimos quatro anos não remeteu dinheiro para o exterior. A providência visa a reforçar o argumento de que a Parmalat ?não tem a mínima intenção de fraudar e prejudicar os seus credores, nem tão pouco desviar recursos para paraísos fiscais ou para a Itália", diz a empresa.A certidão foi encaminhada ao juiz Luiz Burza Neto , do 1º Tribunal de Alçada Civil, relator de recurso proposto pela Parmalat contra decisão do juiz da 42ª Vara Cível Carlos Henrique Abrão que nomeou um comitê de fiscalização para atuar na multinacional. A medida foi requerida pelo banco Sumitomo, credor de US$ 10 milhões. Burza Neto aceitou o pedido da Parmalat e autorizou a empresa a efetuar, desde que aprovado pelo comitê de fiscalização, movimentações bancárias necessárias ao pagamento dos fornecedores. O comitê chegou a conclusão de que ?a Parmalat é viável?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.