Palocci admite mudar compulsório dos bancos, afirma Furlan

O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, disse na noite desta terça-feira que, durante a reunião hoje do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com empresários, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, sinalizou que há espaço para ser revisto o recolhimento compulsório dos bancos sobre depósito a prazo.Segundo o ministro, essa foi uma reivindicação dos empresários, que alegaram que o alto custo dos empréstimos se deve a essa "forma de tributação" do sistema financeiro. Furlan informou que haverá novos encontros do grupo a cada 90 dias para a avaliar a execução das propostas apresentados pelos empresários ao presidente.Apesar da chiadeira do empresariado com relação ao custo dos empréstimos no Brasil, o ministro o assunto taxa básica de juros abordado apenas genericamente. "Nem o vice presidente José Alencar falou", brincou Furlan, já que o vice é um habitual crítico da política de juros altos.A exemplo do presidente Lula, Furlan também fez uma defesa do ministro da Casa Civil, José Dirceu. "Dirceu tem a qualidade de ser organizado, cobrador e usar bem o telefone. Ele tem o poder convocatório".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.