Palocci afirma que Brasil não precisará do FMI por muitos anos

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, disse hoje que "o Brasil não vai precisar de um novo acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) por muitos anos". Segundo o ministro, a decisão de não renovar o acordo com o organismo foi tomada em setembro de 2003, quando o Brasil firmou o último acordo. "Naquela época dissemos que seria o último acordo e muitos não acreditaram que em março de 2005 não íamos ter um novo acordo. Portanto, essa é uma decisão que foi tomada há 15 meses", afirmou o ministro, completando que este objetivo do governo só não seria cumprido se as condições da economia não permitissem.Ele explicou que naquela época a vulnerabilidade do Brasil não permitia sair abruptamente do FMI e que, por isso, se tomou a decisão de se fazer essa saída de forma lenta.O ministro aproveitou a audiência para desmentir notícias publicadas na imprensa de que o Brasil teria decidido não renovar o acordo por não ter conseguido negociar um acordo diferenciado que excluísse investimentos para algumas áreas, como o setor elétrico. "O Brasil não tentou nenhum artifício. Não tentaria com o FMI enganar o Brasil, não ia ter resultado positivo para o País", declarou.Palocci ainda afirmou ter certeza de que as portas do FMI estarão abertas ao Brasil caso seja necessário "pelo relacionamento correto que o País teve com o Fundo ao longo deste tempo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.