Palocci afirma que economia brasileira ainda é vulnerável

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, defendeu hoje as políticas fiscal e monetária que considera que "têm dado progressiva estabilidade à economia". Segundo o ministro, a economia brasileira está muito mais sólida nos seus fundamentos. Contudo, ele acredita que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem razão em afirmar que a economia ainda é vulnerável, porque nenhuma economia está livre de vulnerabilidades. O secretário de Tesouro dos Estados Unidos John Snow reforçou a necessidade de atenção com a vulnerabilidade da economia brasileira. "Temos que estar sempre vigilantes, atentos, todos sabemos que os estresses podem ocorrer e o arcabouço mais amplo de políticas é a melhor estrutura para lidar com esses problemas que acontecem em uma economia aberta", disse.Defesa do câmbio flutuantePalocci disse ainda que não há movimentos anormais no fluxo de capitais e que o Brasil não fará controle de capitais de curto prazo. "A maior atratividade de capitais estrangeiros se dá pelo comércio", justificou. Ele lembrou que no mês de julho as exportações e o saldo da balança comercial bateram recordes de, respectivamente, US$ 11 bilhões e US$ 5 bilhões.O ministro defendeu o regime de câmbio flutuante, lembrando que o déficit em conta corrente no Brasil - resultado da arrecadação menos as despesas, exceto o pagamento de juros - esteve perto de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) e se transformou em superávit.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.