Palocci avalia que equilíbrio fiscal permitiu queda de juros

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, disse hoje na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado que a redução da taxa de juros real média para o menor nível, desde o Plano Real (9,3%), se tornou possível em função da mudança do comportamento fiscal do governo. "Passamos a fazer um ajuste duro nas contas públicas, com redução dos gastos. E isso permitiu a queda dos juros", disse o ministro. Apesar de considerar que a taxa de juros não resolve por si só a questão do crescimento econômico, o ministro da Fazenda admitiu que esse é um elemento importante para criar as posições necessárias à expansão econômica. O ministro também atribuiu ao desempenho fiscal do governo a redução do risco Brasil ? taxa que mede a confiança do investidor estrangeiro na capacidade de pagamento da dívida do País ?, verificada ao longo do ano passado. Isso, segundo Palocci, possibilitou às empresas brasileiras que tivessem acesso ao crédito mais barato no exterior. Não há crescimento com inflação Palocci afirmou que não existe nenhum país que tenha apresentado taxa de crescimento por um período longo com uma taxa de inflação elevada. De acordo com o ministro, uma pesquisa que acompanhou o processo de desenvolvimento em 100 países, nos últimos 50 anos, comprovou que uma das condições para o crescimento prolongado é a estabilidade econômica. Outros fatores apontados pela pesquisa, segundo Palocci, são os níveis de educação e saúde e a existência de marcos regulatórios e instituições estáveis.

Agencia Estado,

30 Março 2004 | 11h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.