Palocci confirma meta de inflação em 4,5%

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, confirmou que o governo fixou em 4,5% a meta de inflação para 2007, com a possibilidade de oscilação de 2 pontos porcentuais para cima ou para baixo. Segundo o ministro, quatro motivos influenciaram na decisão: o primeiro é que essa meta, segundo o ministro, permite, de forma consistente "uma trajetória sustentável da economia". O segundo motivo, segundo Palocci, é a experiência de outros países. Segundo o ministro em países emergentes é mais adequado ter uma meta de inflação de 5%. O terceiro motivo é a dinâmica de preços relativos e o quarto e último motivo é que essa meta, segundo Palocci, é o mecanismo de controle real da inflação.Meta inferior a 4%O ministro da Fazenda afirmou que o cumprimento da meta de inflação de 4,5% para 2006 e de 4,5% para 2007 é uma etapa importante para que no longo prazo se busque metas mais ambiciosas de inflação em torno de 4%. Segundo Palocci, a evolução da economia e o fortalecimento das instituições podem levar o Brasil a instituir metas até inferiores a 4%.O ministro explicou que o histórico de preços relativos no Brasil e o recente controle da inflação por meio de sistema de metas mostram que uma "desinflação" que atinja 4,5% em 2006 e 2007 permite que o Brasil caminhe para uma inflação de 4% nos próximos anos, podendo ser ainda menor dependendo da evolução da economia. "O nosso objetivo é o crescimento sustentado, o controle da inflação e a redução da dívida como conseqüência dos compromissos fiscais do governo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.