Palocci descarta aumento dos combustíveis no curto prazo

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, afirmou hoje que a Petrobras não tem uma política de reajuste de preços de reação imediata às oscilações de preço do produto no mercado internacional. ?A Petrobras não tem uma política de aumento imediata à reação do preço no mercado internacional", disse.Para ele, a Petrobras deverá continuar observando o mercado, antes de tomar decisão sobre eventuais ajustes nos preços dos derivados de petróleo. ?Ninguém sabe dizer ainda se é alta consistente, se é duradoura. Quem vai ver isso é a empresa para tomar suas decisões no momento certo?, afirmou.Na avaliação do ministro, não existe semelhanças entre a atual oscilação dos preços do petróleo no mercado internacional com as duas crises da década de 70. ?Há um aumento da demanda por crescimento econômico que faz com que os preços (do petróleo) subam, mas acho que isso pode se acomodar?, afirmou.Palocci descartou usar a Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (Cide) para acomodar possíveis ajustes nos preços dos derivados. Isso porque, segundo ele, essa acomodação poderia ser feita se o governo estivesse aplicando a tarifa máxima do tributo. ?Mas como não estamos utilizando, não temos espaço para fazer essa acomodação de preços pela Cide?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.