Palocci descarta inflação maior para obter crescimento maior

O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, disse não concordar com as previsões pessimistas para o crescimento econômico deste ano. No entanto, ele evitou confirmar que a estimativa oficial de expansão do PIB, de 4%, será atingida. Palocci concorda que uma política monetária mais restritiva pode levar a um crescimento menor, mas levará a uma inflação menor também. "Eu não vejo vantagem de se ter um pouco mais de crescimento com um pouco mais de inflação." Ele destacou que os indicadores de investimento não estão ruins. "O investimento direto estrangeiro no primeiro quadrimestre aumentou mais de 30% em relação ao passado. Esse é um indicador concreto que tem mostrado uma evolução importante", disse. O ministro afirmou que seria muito bom se o país conseguisse crescer um pouco mais com baixa inflação, mas alerta que não comprometeria o controle da inflação para ter um pouco mais de crescimento. "O combate a essa inflação suplementar vai custar mais caro nos próximos anos", disse, lembrando que o Brasil não tem meta para crescimento. Palocci disse que está otimista em relação ao crescimento em 2005. "Mas prefiro deixar os números virem, não quero brigar com eles", afirmou.

Agencia Estado,

24 Maio 2005 | 13h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.