Palocci destaca que não abre mão do esforço fiscal

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, afirmou hoje que não abre mão do esforço fiscal que o governo vem implementando. Ele disse que está convencido de que o esforço fiscal tem grande responsabilidade sobre os resultados que podem ser observados agora na economia.Palocci disse que foi um erro o que o Brasil já fez no passado ao trocar o esforço fiscal por investimentos de curto prazo. Ele disse que prefere cometer novos erros do que erros velhos, já cometidos no passado e afirmou que está tranqüilo em relação à política fiscal, destacando o compromisso do presidente com esse esforço.Contudo, o ministro afirmou que não vê necessidade de um superávit primário - diferença entre a arrecadação do governo e seus gastos, exceto o pagamento dos juros - maior do que 4,25% do PIB em 2005. A meta para o superávit primário no próximo ano era de 4,25% e foi elevada para 4,5%. Palocci explicou que o governo elevou a meta para 4,5%, entre outros fatores, por causa do aumento da arrecadação. Política monetáriaEle disse que as críticas contra a política monetária são legítimas. Ele fez uma ampla defesa do sistema de metas de inflação, mas afirmou que está aberto a discussões. Palocci disse que as políticas fiscal e monetária adotadas pelo Brasil são as melhores práticas conhecidas no mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.