finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Palocci discorda do Banco Central sobre crescimento da economia

Apesar da projeção do Banco Central de um crescimento de 1,5% da economia este ano, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, está mais otimista e afirmou que acredita num crescimento em torno de 2%. Para justificar o baixo crescimento da economia, o ministro afirmou que essas são as condições em que o País vive agora, após sair da crise do ano passado.Ele destacou que apesar da crise, não houve decréscimo do PIB no ano passado e nem haverá este ano. Palocci ressaltou que em muitos países que tiveram crise de oferta, como a enfrentada pela economia brasileira em 2002, houve perdas de 4% a 7% no PIB. Ele destacou que o Brasil é uma exceção porque conseguiu sair de uma crise de "grandes proporções sem queda do PIB".Ele disse que o importante é garantir uma agenda de crescimento, mas evitou comentar o "espetáculo do crescimento" prometido pelo presidente Lula estaria adiado. "O mais importante é garantir que o País saia de um processo de ajuste, de uma crise de grandes proporções e comece a crescer". disse.

Agencia Estado,

01 de julho de 2003 | 16h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.