Palocci diz que Banco Santos é caso isolado

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, procurou afastar os rumores de outras instituições financeiras de pequeno porte estão sofrendo uma fuga de depósitos na esteira da crise no Banco Santos. O ministro, que chefia a delegação brasileira na reunião dos ministros das finanças e bancos centrais do G-20 (grupo de países industrializados e em desenvolvimento), garantiu também que não foi informado de nenhum vazamento de informação da intervenção decretada pelo BC no Banco Santos. "O caso do Banco Santos é completamente isolado" disse Palocci a jornalistas. "O Banco Central tomou as providências que julgou necessárias para o caso especifico." Ele disse que não "há nada de especial ocorrendo no sistema financeiro". Segundo o ministro não houve nenhuma mudança na avaliação do governo de que o "sistema financeiro brasileiro é muito sólido, cada vez mais consistente saudável". Ele ressaltou que não há nenhum problema sistêmico no setor bancário. "Não vemos com preocupação com essa área", afirmou. Palocci elogiou a atuação do BC no caso do Banco Santos e negou que tenha ocorrido vazamento de informação. "O Banco Central foi muito correto em suas medidas", disse. "Eu não tive nenhuma informação de qualquer rumor que tenha precedido a ação do BC." Ele sustentou que a atuação do BC "foi bastante adequada para o momento e feita absolutamente dentro das normas do banco". Medida anunciada hoje Apesar das negativas de Palocci sobre problemas com outras intituições financeiras menores, o Banco Central divulgou hoje uma medida que reduz o compulsório sobre depósitos a prazo em R$ 300 milhões por instituição financeira. "A medida de caráter técnico visa equalizar condições de concorrência entre instituições de portes diferenciados tornando ainda mais sólido o sistema financeiro", diz o comunicado do BC. O compulsório sobre depósitos a prazo é integralmente recolhido em títulos públicos. A medida anunciada hoje deve ajudar a melhorar a liquidez (volume de recursos) no sistema financeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.