Palocci diz que BC não pode funcionar com critério político

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, disse há pouco em Genebra, que "o Banco Central não pode funcionar de acordo com critérios de avaliação política partidária". Segundo o ministro, "ou você tem um BC que combate a inflação, ou você tem um BC político". Palocci ressaltou "que a única pressão que vale para a política monetária é a pressão da inflação". Questionado sobre como o governo pretende responder à pressão de setores da sociedade por uma queda de juros e reativação da atividade econômica, Palocci disse: "falando a verdade". Segundo ele, a opção do governo é clara: "combater a inflação". O ministro seguiu há pouco com a delegação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o aeroporto de Genebra, de onde embarcará de volta ao Brasil.Crescimento é desafioSobre o rumo da taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 26,5% ao ano), Palocci afirmou que "todos querem crescimento econômico", principalmente o governo. Segundo Palocci, o crescimento é algo buscado em todas as partes do mundo. "Mas é preciso encarar isso como um desafio, não como um problema de Fla x Flu", disse o ministro. Palocci ressaltou que o impacto da inércia inflacionária "só se mede com o tempo". "Se você me pergunta qual a perspectiva do futuro (inflação), eu não tenho. É preciso esperar os números", afirmou. O ministro disse que o BC está elaborando a política monetária de acordo os números de inflação. "Depende muito dos agentes econômicos, dos setores que remarcam preços, da relação trabalhista", disse Palocci. "Fazer previsão é um chute", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.