Palocci fala em queda consistente dos juros e cobra empresários

O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, garantiu que a decisão do Copom de reduzir os juros de 26,5% para 26% ao ano não foi voluntária, nem política e cobrou dos empresários um controle maior sobre os preços. "(O Copom) não toma decisões voluntárias, toma decisões a partir do que acontece na economia real, no comportamento dos preços", afirmou em Assunção, onde participa da reunião do Mercosul. "Vamos fazer todo esforço para que os juros tenham uma queda consistente". Para o ministro da Fazenda, os empresários e agentes econômicos precisam continuar controlando e baixando preços para que os juros continuem caindo. "Não é só reduzir preços, quando fizerem cálculos econômicos ou planejamento de investimentos precisam olhar a inflação futura", afirmou. "É assim que nós coordenamos o processo de redução inflacionária efetiva e de crescimento real para nossa economia".Segundo Palocci, só foi possível começar a reduzir juros porque uma grande parcela dos agentes econômicos tem entendido que a política monetária vai atuar no grau que for necessário para controlar a inflação. "Alguns já estão olhando os índices de inflação de 12 meses para a frente e, dessa maneira, eu acredito que nós poderemos garantir que as próximas decisões do Copom confirmem esse tendência de baixa". Palocci pediu que a sociedade não cobre apenas as decisões do governo. "As pessoas têm de agir nas suas áreas para fazer com que os indicadores econômicos caminhem bem", afirmou. "Vamos continuar recebendo as críticas, mas vamos continuar agindo com a certeza de que um combate a inflação como esse é para que não tenhamos que tomar medidas piores mais tarde, se formos lenientes neste momento".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.