Palocci garante que haverá redução da dívida em ano eleitoral

Em discurso durante almoço promovido pela Câmara de Comércio Brasil-EUA, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, fez a seguinte promessa para investidores e analistas estrangeiros: "Podem anotar aí, vamos reduzir pela primeira vez a dívida pública num ano eleitoral". Segundo Palocci, a redução da dívida pública em 2006 será possível por conta da consolidação dos fundamentos da economia brasileira.De acordo com ele, nos últimos três meses, há uma demonstração de que a economia brasileira chegou num nível de estabilidade em que é possível enfrentar turbulências externas e também políticas, e será, portanto, capaz de enfrentar as eleições. Palocci disse ainda que este comportamento da economia brasileira mostra uma maturidade do Brasil conseguida não apenas no governo Lula, mas também nos últimos anos. Para a redução da dívida pública no próximo ano, Palocci negou que o governo pretenda elevar a meta de superávit primário - arrecadação menos as despesas, exceto o pagamento de juros. O ministro reforçou que o governo continua trabalhando com a meta de superávit de 4,25% do PIB em 2006.Em relação às eleições, Palocci disse não ter receio de que o Brasil mude o curso de política econômica que vem adotando. "A sociedade brasileira não aceita mais comportamento leniente em relação à inflação ou no plano fiscal. A sociedade brasileira verificou que o controle da inflação vai diretamente em benefício do bolso do trabalhador", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.