Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Palocci já admite rever para baixo previsão para PIB de 2005

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, disse hoje que já há sinais de reaquecimento econômico neste quarto trimestre. "O ciclo de crescimento do Brasil não está sendo interrompido", afirmou. Contudo, o ministro reconhece a possibilidade de uma revisão para baixo no crescimento do País, caso seja confirmado o resultado do terceiro trimestre auferido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mostrou uma queda de 1,2%, e ainda será revisado. A previsão do governo para o crescimento do PIB neste ano é de 3,4%.A pesquisa do Banco Central junto aos investidores já mostra uma perspectiva menor, se comparada com a previsão oficial. A pesquisa foi divulgada antes do anúncio da retração do PIB no período e, pela quarta vez consecutiva, a apuração do BC apontou queda na expectativa de crescimento para este ano - de 3,09% para 3%. Há quatro semanas, esta previsão estava em 3,31%.Na quarta-feira, após a divulgação do resultado do PIB do terceiro trimestre, alguns analistas já se mostraram pessimistas e revisaram para baixo o crescimento do PIB do Brasil neste ano. Exemplo disso foi a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) que prevê, diante da retração da economia no terceiro trimestre, um crescimento abaixo de 3% neste ano.De acordo com cálculos do IBGE, para um crescimento de 3,0% do PIB no acumulado de 2005, a variação no quarto trimestre ante igual trimestre de 2004 terá de alcançar 4,3%. Para um crescimento de 2,8% do PIB neste ano, o PIB do quarto trimestre terá que aumentar 3,5%.Metodologia do PIBPalocci afirmou que não considera que existam erros na metodologia de trabalho do IBGE no cálculo do PIB. Ele observou, no entanto, que o IBGE trabalha com itens que tem caráter sazonal, principalmente produtos do setor agrícola.Como exemplo, ele citou o caso do café, cujo ciclo de produção é sempre marcado por uma safra forte, sucedida no ano seguinte por uma safra fraca. "Este foi um ano de safra fraca, que teve um impacto no resultado do PIB do terceiro trimestre", disse Palocci. "Não é um erro, mas o IBGE trabalha com uma metodologia que comporta efeitos técnicos, que interferem no resultado final."Segundo o ministro, o resultado do PIB do terceiro trimestre tem dois pontos importantes. O primeiro é a manutenção do crescimento do consumo das famílias, resultado do aumento da renda no País. Além, disso, houve uma queda na produção industrial. "O aumento do consumo e a queda da produção industrial sinalizam que será necessário um ajuste de estoque e um aumento de produção das empresas."

Agencia Estado,

02 de dezembro de 2005 | 17h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.