Palocci não fala de relatório sobre atuação do FMI na crise

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, evitou fazer comentários sobre o relatório elaborado pelo Escritório de Avaliação Independente do Fundo Monetário Internacional (FMI), o qual admite que a instituição errou em relação à crise brasileira durante o governo FHC. O ministro disse que não leu o relatório e que somente depois de ler o documento poderá fazer comentários sobre ele. Ao ser questionado se a divulgação do relatório no momento em que a missão do FMI está no Brasil poderia ser interpretada como uma forma de pressão para que o governo brasileiro renove o acordo com o organismo, Palocci respondeu: "Estão falando do governo anterior". Não quis comentar as declarações do ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, que criticou hoje o FMI por ter divulgado o documento. Sobre o pacote com medidas de emergência reivindicado pelo empresário Eugênio Staub, presidente do grupo Gradiente e um dos membros do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o ministro respondeu apenas: "Vamos ver, vamos ver". O chefe da missão do FMI que se encontra no Brasil, Jorge Marquez-Ruarte, também evitou hoje fazer comentários sobre o relatório que aponta uma série de erros cometidos pelo Fundo em relação ao Brasil e que faz críticas ao governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Ruarte disse, ao deixar o prédio do Ministério da Fazenda, que não poderia fazer comentários porque o órgão que elaborou o relatório é independente do Fundo. Trata-se de escritório independente de avaliação contratado pelo FMI para analisar ações do próprio Fundo; as opiniões do escritório não são necessariamente as mesmas do FMI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.